segunda-feira, 16 de maio de 2011

Lua Cheia de Touro - Wesak




Oração:

A Grande Invocação 
Do Ponto de Luz na Mente de Deus,
Que flua Luz na mente dos homens,
E que a Luz desça à Terra.

Do Ponto de Amor no Coração de Deus 
Que flua Amor aos corações dos homens. 
E que o Cristo retorne à Terra.

Do centro onde a Vontade de Deus é conhecida 
Que o propósito guie as pequenas vontades dos homens, 
O propósito que os Mestres conhecem e servem.

Do centro a que chamamos a raça dos homens,
Que se realize o plano de Amor e Luz, 
E feche a porta onde se encontra o mal.

Que a Luz, Amor e Poder restabeleçam o Plano Divino sobre a Terra,
Hoje e por toda a Eternidade,
Que assim seja!



Na Lua cheia de Touro é realizada a celebração máxima do Budismo, o Festival de Wesak, no vale dos Himalaias, na India, em homenagem a Lord Gautama. 

MEDITAÇÃO NA LUA CHEIA - POR QUE MEDITAÇÃO NA LUA CHEIA?

Porque há ciclos no fluxo e refluxo das energias espirituais, com os quais os grupos, tanto quanto os indivíduos, podem conscientemente cooperar. Um dos principais ciclos de energia coincide com as fases da Lua, alcançando seu pico, sua maré alta, durante a Lua Cheia. Este é o tempo, portanto, em que a canalização da energia, através da meditação grupal, pode ser eficaz de maneira ímpar. Hoje, centenas de grupos de serviços se reúnem mensalmente para meditar, de maneira regular, no mundo todo, por ocasião da Lua Cheia. A Lua mesma não tem nenhuma influência sobre o trabalho, mas a sua esfera, plenamente iluminada, é indicativa de um alinhamento livre e desimpedido entre nosso planeta e o Sol, o Centro Solar, a fonte de energia para toda a vida na Terra. Em tais ocasiões, estando a Lua "fora do caminho" e o contato entre o Centro Solar e o Planeta Terra alcançando seu ponto máximo, o homem pode fazer uma aproximação bem definida a Deus, o criador, o Centro da Vida e da Inteligência.

O ritmo plenilunar é usado para determinar as datas das meditações já que determina o tempo mensal em que o impacto das divinas energias de Luz, Amor e Poder é mais forte e pode ser registrado pelos grupos e irradiado dentro da consciência humana.


O FESTIVAL DE WESAK

Lua cheia de Buda (Touro)

O que deveria ser realizado em cada lua cheia de Touro?

1. A liberação de certas energias que podem afetar poderosamente a humanidade e que, se liberadas, estimularão o espírito de amor, de fraternidade e de boa vontade na Terra. Essas energias são tão definidas e reais como são as de que se ocupa a própria ciência que as chama de raios cósmicos.

2. A fusão de todos os homens de boa vontade no mundo em um todo integrado e com capacidade de resposta.

3. A invocação e a resposta de certos Grandes Seres, Cujo trabalho pode ser, e será possível, se o primeiro destes objetivos for atingido, graças à realização do segundo objetivo. Meditem nesta síntese dos três objetivos. Por que nome estas Forças Vivas são chamadas é inteiramente imaterial. Podem ser considerados como os vice-regentes de Deus, que podem e cooperarão com o Espírito de Vida e de Amor sobre o nosso planeta, aquele no qual vivemos, nos movemos e temos nosso ser. Certos pensadores podem considerá-los como os Arcanjos do Altíssimo, cujo trabalho tem sido possível pela atividade do Cristo e do Seu corpo de discípulos, a Igreja verdadeira e viva. Outros os considerarão como os Guias da Hierarquia planetária, que se encontram por detrás de nossa evolução planetária e que raramente tomam parte ativa exterior nas atividades do mundo, deixando isso para os Mestres de Sabedoria, salvo nos casos excepcionais como o atual. Qualquer que seja o nome pelo qual os chamemos, eles estão prontos para ajudar, se o apelo for feito com força e poder suficientes por parte dos aspirantes e discípulos no momento da lua cheia de Touro e da lua cheia de Gêmeos.

4. A evocação de uma atividade enérgica e concentrada do lado interno realizada pela Hierarquia de Mestres, essas Mentes iluminadas à quais foi confiado o trabalho de direção do mundo. Deseja-se uma resposta e pode ser obtida entre os três grupos:
- a. A expectante e (nesse momento) ansiosa Hierarquia – ansiosa porque nem mesmo Eles podem dizer como reagirá a humanidade, e se os homens serão suficientemente sensatos para aproveitar a oportunidade oferecida. Os Mestres aguardam, organizados sob a direção do Cristo, o Mestre dos Mestres e Instrutor de anjos e homens. Ele foi instituído como o intermediário direto entre a Terra e o Buda, Aquele que, por sua vez, é o intermediário consagrado entre a Hierarquia expectante e as forças atentas.
- b. Novo Grupo de Servidores do Mundo, cujo objetivo é a paz do mundo, composto nesta época por todos os servidores sensíveis e consagrados da raça, que tem o propósito de estabelecer a boa vontade na Terra, como a base para a futura vida e expansão mundiais. Originalmente, este grupo era formado por uns poucos discípulos aceitos e aspirantes consagrados. As suas fileiras foram abertas, ultimamente, a todos os homens de boa vontade que trabalham ativamente por uma verdadeira compreensão, que estão prontos a se sacrificarem para ajudar a humanidade, que não vêem nenhuma linha de separação, mas têm, isso sim, o mesmo sentimento para com os homens de todas as raças, nacionalidades e credos. 
- c. As massas dos homens e mulheres que responderam às idéias que foram lançadas, e que reagiram favoravelmente aos objetivos de compreensão internacional, interdependência econômica e unidade religiosa.

À medida em que estes três grupos de pensadores e servidores se tenham contatado, quando os três grupos possam estar alinhados, ainda que momentaneamente, muito pode ser realizado; as portas da nova vida podem ser abertas para dar passagem ao influxo de novas forças espirituais. Tal é o objetivo e a idéia do Grupo.

Que importância tem para vocês, pessoalmente,esta lua cheia de Touro? Parece-lhes ter suficiente importância para realmente significar tão grandes esforços a vocês? Crêem sinceramente que neste dia pode haver realmente uma liberação de energia espiritual suficientemente potente para mudar os assuntos do mundo, desde que os filhos dos homens desempenhem sua parte? Acreditam realmente, e estão prontos na prática, a apoiar a crença de que nesse dia o Buda, em cooperação com Cristo e com a Hierarquia de Mestres Iluminados, mais a ajuda oferecida por alguns dos Tronos, Principados e Poderes da Luz, que são a correspondência superior dos poderes das trevas, estão prontos a executar os Planos de Deus, quando for dado o direito e a permissão dos homens? A principal tarefa de vocês na atualidade, não é lutar contra os poderes do mal e as forças das trevas, mas despertar o interesse e mobilizar as Forças da Luz e os recursos dos homens de boa vontade e de inclinação correta no mundo atual. Não resistir ao mal, mas organizar e mobilizar o bem e assim fortalecer as mãos dos trabalhadores que estão do lado do direito e doar amor, para que o mal tenha menos oportunidades.
Se vocês tiverem fé no que lhes disse, – ainda que seja do tamanho de um grão de mostarda – se tiverem uma crença firme no trabalho do espírito de Deus e na divindade do homem, então esqueçam-se de si próprios e consagrem cada um de seus esforços, a partir do momento em que receberem esta comunicação, para a tarefa de cooperar no esforço organizado, a fim de mudar o curso dos assuntos mundiais, por meio de um acréscimo no espírito de amor e de boa vontade no mundo durante este mês.

ANTIGOS ENSINAMENTOS

Ensinamentos da Antiga Sabedoria consideram Wesak o momento mais significante do ano, quando um real evento celestial ocorre e se manifesta sobre a Terra. Considera-se que o Festival de Wesak seja um tempo em que o próprio Deus, transmitindo através de Buda e de Cristo, envia um benção para a Terra. Durante séculos tem sido celebrado na Índia e sempre ocorre na Lua Cheia de Buda. Durante esse tempo, a humanidade pode se alinhar completamente com forças espirituais que não estão à disposição em outras ocasiões do ano. A força dessa benção nos estimula espiritualmente e nos deixa mais preparados para servir completamente ao Plano Divino.

Próximo ao Nepal e rodeado pelas montanhas dos Himalaias, fica uma área de terra protegida. Um caminho, entre passagens estreitas, eventualmente se abre para um vale coberto de grama. Vários dias antes da Lua Cheia, buscadores espirituais entram no vale e aí montam tendas coloridas. Na parte norte do vale há uma grande rocha plana onde é colocada uma grande vasilha de cristal cheia de água. Logo antes da Lua Cheia, Cristo, os Senhores, os Mestres, os Arcanjos e os Iluminados que guiam o planeta Terra se reúnem ao redor dessa rocha para orar.

Poucos minutos antes do momento exato da Lua Cheia, pode se ver uma pequena luz no céu. À medida que ela se aproxima e cresce em claridade, a forma do Buda, com seu robe cor de açafrão e com as penas em posição cruzada, pode ser vista no céu.

No momento exato da Lua Cheia, Buda, suspenso sobre a rocha, estende sua mão em uma benção em direção a Cristo, que, representando a Humanidade, a recebe para distribuição. Então é pronunciada a Grande Invocação, enviando uma forte corrente de gratidão, da Humanidade para o Próprio Deus. Enquanto Buda envia sua Benção de Iluminação e Cristo envia sua Benção de Amor, a estrutura atômica e molecular da água se altera, recebendo uma infusão de Sabedoria. Ela é então distribuída em pequenas porções e levada ao mundo para ser compartilhada.

O Festival de Wesak é um momento poderoso de intenso serviço espiritual, feito da Humanidade para Deus e de Deus para a Humanidade, através de Buda e de Cristo. Durante os 8 minutos dessa celebração, o universo inteiro faz uma ligação unindo a humanidade com a Fonte da nossa criação, a que chamamos Deus. Os efeitos espirituais permanecem até o próximo Festival de Wesak.




Lua Vazia


O que é Lua Vazia?



A Lua é considerada vazia de curso, ou fora de curso, quando não forma aspecto maior (conjunção, oposição, quadratura, trígono e sextil) antes de deixar o signo que ocupa. A Lua está vazia de curso nos períodos compreendidos entre o último aspecto maior exato, que forma ao transitar um signo, até que ingresse no signo seguinte. Essa condição da Lua é mais observada na prática da astrologia horária, onde as respostas a perguntas formuladas sempre dizem respeito a fatos em andamento, ou em vias de andamento, e a seus possíveis resultados e conseqüências imediatas. Essa proximidade de acontecimentos concorda com o movimento rápido da Lua e com suas ligações com começos e fins, por ser ela a regente natural da casa IV. Mais ainda, em questões horárias a importância da Lua é acrescida, devido representar, junto com a casa I, o consultante ou a pergunta que está sendo formulada. Por isso, em astrologia horária, tudo que diga respeito à Lua deve ser levado em conta, inclusive se está vazia de curso - que pode significar falta de propósito ou falta de empenho dos envolvidos com o que está sendo tratado.

Lua Vazia de Curso no Dia-a-Dia

A prática da astrologia, que busca melhores resultados para ações executadas no dia-a-dia, tem em comum com a astrologia horária essa proximidade de respostas ou de conseqüências de atos cometidos. Dessa forma, ações iniciadas com a Lua vazia de curso também podem apresentar, em seus resultados próximos, falta de alguma coisa importante.



***

“Lua fora de curso”, é o período em que a Lua não se relaciona com outros planetas do sistema solar até ingressar no próximo signo, e reiniciar a sua bateria de relacionamentos planetários.
O termo vazio não significa que a Lua deixe de brindar com alguma informação, mas sim que a informação oferecida é altamente subjetiva, dado ela não provir dos planetas próximos, mas dos confins do infinito.
A perspectiva de relacionamento da Lua com os planetas de nosso sistema solar promove a objetividade e a realização concreta.
A falta de perspectiva dos relacionamentos lunares com os planetas evoca a informação do vazio, profundamente subjetiva.
É por essa razão que as pessoas mais negativamente afetadas pelos períodos de Lua vazia são aquelas teimosas que insistem em fazer de conta que a parte valiosa da existência só reside na objetividade, deixando a subjetividade para as mulheres, as crianças e os poetas.
A Lua vazia é inútil para os empreendimentos concretos, mas extremamente funcional para as experiências subjetivas, onde se renda culto ao infinito universo.


O que fazer quando a Lua estiver vazia.

Convencer-se de que, ao contrário do que parece, você não é engrenagem de máquina, que possa ligar-se e desligar-se de acordo com horários estipulados arbitrariamente.
Convencer-se de que, participar do cosmos é, também, participar de todos seus ciclos, de fluxo e refluxo, objetividade e subjetividade, de euforia e recolhimento, submissão e liberdade, e isso só para listar os mais reconhecíveis.
Convencer-se de que a saúde e bem-estar físicos e emocionais dependem de alternarem-se, o mais sabiamente possível, os períodos de produção objetiva com os de recolhimento subjetivo.
Os períodos de Lua vazia são, eminentemente, propícios ao recolhimento subjetivo, e se acontecerem no meio da semana “útil” melhor será que você comece a considerar o descanso útil também.
Nenhuma instituição, governamental ou comercial, está preparada para deixar você descansar no meio do período de trabalho, pelo que fica ao critério de sua criatividade inventar uma forma de continuar fazendo parte da máquina institucional sem no entanto forçar a barra, tentando agir como se você fosse uma máquina.
O recolhimento subjetivo pode ser praticado por meio de inúmeras tarefas: rezar, meditar, estudar, conversar despreocupadamente, distrair-se, vigiar os pensamentos para que esses não produzam ansiedade, limpar gavetas e jogar fora papéis velhos, etc.
Quando num período de Lua vazia você perceber que seu nível de irritação aumenta demais, isso acontece por você teimar em querer fazer com que algo dê certo num momento inútil. Você é livre para esbaldar-se nesse fogo estúpido que é a irritação, mas isso não fará de você uma pessoa melhor, nem mais feliz.
Se você, inadvertidamente, tiver marcado compromissos importantes num período de Lua vazia, mais uma oportunidade para praticar a despreocupação. Cumpra a sua obrigação desapegadamente, sem esperar que ela dê resultados concretos.
É sábio, durante a Lua vazia, evitar dar início a atividades das quais se espere colher resultados concretos e definidos.
Se, durante uma Lua vazia, você desesperar, respire fundo várias vezes, pois esse estado de ânimo é artificial, só vale o quanto você acreditar nele.
Normalmente, é nos períodos de Lua vazia que as pessoas agridem às outras de forma gratuita pelo que, você que sabe a razão disso acontecer, evite responder à agressão, desintegrando-a com a indiferença.
As boas idéias que você tiver durante a Lua vazia precisam ser repensadas em outro momento para conferir a sua eficiência.
Confusões, esquecimentos e desentendimentos de todo tipo acontecem durante a Lua vazia, pois essas condições são formas de o cosmos informar que o período não serve para sustentar a objetividade, convidando você a retirar-se dela.
Boatos de todos os tipos circulam durante a Lua vazia, pois os humanos, quando nervosos, falam de diversos assuntos com a propriedade de peritos, mas só o fazem motivados pela tola ansiedade. Confundem opinião com perícia. Opinião é como boca, todo mundo tem pelo menos uma.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Mães do elemento Água

imagem do google*

As mães do elemento Água são dos signos: Câncer, Escorpião e Peixes. Podem ter as seguintes características:

Uma mulher retraída, obscura e tremendamente manipuladora. Em casa ninguém conhece suas emoções e desejos, mas sempre acaba conseguindo o que quer, usando o silêncio pesado, a intriga, a aparente falta de interesses, a manipulação, as indiretas e a cara de santa. Seus filhos aprendem com ela que é preferível permanecer em silêncio porque qualquer coisa que façam ou digam podem ser usados contra eles e, como sua mãe, acabam trancando suas emoções, dores e raivas e usando os caminhos indiretos para conseguir seus objetivos.

Na infância: foi criada com a expectativa de ser "uma belezinha" e a incorporação deste traço à sua personalidade foi condicionada à aprovação paterna. Provavelmente obrigaram-na a estudar balé ou a tocar piano para as visitas, dando assim satisfação à mamãe. Desconectada de seus instintos e alucinada com a necessidade compulsiva de ser adulada, ela acumulou intensas doses de dor e raiva, que é incapaz de expressar para não assustar e ser rejeitada por 'seu público'. O resultado é um manequim inseguro, superficial e vaidoso.

*Fonte: Veet Pramad

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Tábua de Esmeralda


imagem do google*

A Tábua de Esmeralda (ou Tábua Esmeraldina) é o texto que deu origem à Alquimia islâmica e ocidental.
Surgiu primeiramente nos textos seguintes: Kitab Sirr al-Khaliqa wa Sanat al-Tabia (c. 650 d.C.), Kitab Sirr al-Asar (c. 800 d.C.), Kitab Ustuqus al-Uss al-Thani (século XII), e Secretum Secretorum (c. 1140). O texto em latim, escrito por João de Sevilha (Johannes Hispaniensis), em Secretum Secretorum, é apresentado abaixo:
(1) Verum sine mendacio, certum et verissimum:
(2) Quod est inferius est sicut quod est superius, et quod est superius est sicut quod est inferius, ad perpetranda miracula rei unius.
(3) Et sict omnes res fuerunt ab Uno, mediatione unius, sic omnes res natæ fuerunt ab hac una re, adaptatione.
(4) Pater ejus est Sol, mater ejus Luna;
portavit illud Ventus in ventre suo; nutrix ejus Terra est.
(5) Pater omnes Telesmi totius mundi est hic.
(6) Vis ejus integra est, si versa fuerit in Terram.
(7) Separabis terram ab igne, subtile a spisso, suaviter, cum magno ingenio.
(8) Ascendit a terra in cœlum, interumque descendit in terram et recipit vim superiorum et inferiorum.
(9) Sic habebis gloriam totius mundi.
(10) Ideo fugiet a te omnis obscuritas.
(11) Hic est totius fortitudinis fortitudo fortis: quis vincet omnem rem subtilem omnemque solidam penetrabit.
(12) Sic mundus creatus est.
(13) Hinc erunt adaptationes mirabiles quarum modus est hic.
(14) Itaque vocatus sum Hermes Trismegistus, habens tres partes philosophiæ totius mundi.
(15) Completum est quod dixi de Operatione Solis.

A tradução da Tabula Smaragdina segue-se:

(1) É verdade, certo e muito verdadeiro:
(A Verdade simboliza o 5*Raio, de cor Verde, que é a cor da Esmeralda, com a primeira letra 'E', que é a quinta letra, valor númerico 5 e lembra a estrela de 5 pontas. O 5* Raio é regido pelo Mestre Ascencionado Hilarion, junto ao Arcanjo Rafael, que é o anjo de Mercúrio).
(2) O que está embaixo é como o que está em cima e o que está em cima é como o  que está embaixo, para realizar os milagres de uma única coisa. (O triângulo para cima aponta o arquétipo masculino, a energia do Céu. O triângulo para baixo aponta o arquétipo feminino, que é a Terra. Assim se forma a estrela de 6 pontas, conhecida como estrela de Davi, selo do Rei Salomão.
(3) E assim como todas as coisas vieram do Um - pela meditação do Um, assim todas as coisas são únicas, por adaptação.
(A ausência de todas as presenças e ausências é o Nirvana de Buda Gautama. A meditação do Um é a não-dualidade, existente no momento que antecede a Criação, onde todas as forças cósmicas são iguais, segundo as teorias das cordas e do bing bang e os antigos mitos da Criação. As coisas que são nascidas por adaptação representam as teorias revolucionistas, unindo, então, mito a ciência.)
(4) O Sol é o pai, a Lua é a mãe, o vento o embalou em seu ventre, a Terra é sua alma, nutriz e receptáculo; (Aqui temos os quatro elementos terrestres, onde o Sol representa o fogo Universal, a Lua, as águas da vida, onde caíram as primeiras centelhas estelares que vieram embaladas ao vento - Ar - recebidas pelo elemento árido chamado Terra e que vieram dar início às primeiras vidas.)
(5) O Pai de toda Telesma do mundo Universal está nisto.íe Tdeste mundo.)

(6) Seu poder é pleno, se é convertido em Terra.
(7) Separarás a Terra do Fogo, o sutil do denso, suavemente e com grande perícia.
(8) Sobe da terra para o Céu e desce novamente à Terra e recolhe a força das coisas superiores e inferiores.
(9) Desse modo obterás a glória do mundo. (10) E se afastarão de ti todas as trevas.  a força que é sua vontade própria!)
(11) Nisso consiste o poder poderoso de todo poder:
Vencerás todas as coisas sutis e penetrarás em tudo o que é sólido.
(12) Assim o mundo foi criado.
(13) Esta é a fonte das admiráveis adaptações aqui indicadas.rtanto, Aqui+Agora = Logos = divindade ma
(14) Por esta razão fui chamado de Hermes Trismegistos, pois possuo as três partes da filosofia universal.
("Eu Sou" é o verdadeiro e secreto nome de Deus, e é o príncipe/princípio de todos os 
(15) O que eu disse da Obra Solar é completo.

(Encerra com segurança as verdades universais aqui contidas, apontando o Sol, como
Hermes Trismegisto (em latim: Hermes Trismegistus; em grego Ἑρμῆς ὁ Τρισμέγιστος, "Hermes, o três vezes grande") é o nome dado pelos neoplatônicos, místicos e alquimistas ao deus egípcio Thoth (ou Tehuti), identificado com o deus grego Hermes. Ambos eram os deuses da escrita e da magia nas respectivas culturas.
Thoth simbolizava a lógica organizada do universo. Era relacionado aos ciclos lunares, cujas fases expressam a harmonia do universo. Referido nos escritos egípcios como "três vezes grande", era o deus do verbo e da sabedoria, sendo naturalmente identificado com Hermes. Na atmosfera sincrética do Império Romano, deu-se ao deus grego Hermes o epíteto do deus egípcio Thoth.
Como "escriba e mensageiro dos deuses", no Egito Helenístico, Hermes era tido como o autor de um conjunto de textos sagrados, ditos "herméticos", contendo ensinamentos sobre artes, ciências e religião e filosofia - o Corpus Hermeticum - cujo propósito seria a deificação da humanidade através do conhecimento de Deus. É pouco provável que todos esses livros tenham sido escritos por uma única pessoa, mas representam o saber acumulado pelos egípcios ao longo do tempo, atribuído ao grande deus da sabedoria.
O Corpus Hermeticum, datado provavelmente do século I ao século III, representou a fonte de inspiração do pensamento hermético e neoplatônicorenascentista. Na época acreditava-se que o texto remontasse à antiguidade egípcia, anterior a Moisés e que nele estivesse contido também o prenúncio do cristianismo.
Segundo Clemente de Alexandria, eram 42 livros subdivididos em seis conjuntos. O primeiro tratava da educação dos sacerdotes; o segundo, dos rituais do templo; o terceiro, de geologia, geografia, botânica e agricultura; o quarto, de astronomia e astrologia, matemática e arquitetura; o quinto continha os hinos em louvor aos deuses e um guia de ação política para os reis; o sexto era um texto médico.
Costuma-se creditar também a Hermes Trismegisto o Livro dos Mortos ou o Livro da Saída da Luz, além do mais famoso texto alquímico, a "Tábua de Esmeralda".
*Fonte: Wikipedia. 
* Hermetismo - Livro de Thot.
*imagens do google
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...